quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

Cidade Maravilhosa, aqui estamos nós!!!!!
























































E aí galeraaaaaa, CHEGAAAAAAAMOS!!!!!!!
Vou dizer uma coisa, viajar é muuuuito bom mas chegar também é delicioso, não vou negar não!!
A alegria de ver o Pão de Açucar se aproximando da nossa proa, a emoção de entrar na boca de barra e avistar cenários tão familiares, até sentir o cheirinho "agradável" da baía de Guanabara.... ahhhhh, foi tudo de bom!!!!! Nossa travessia recorde durou exatamente 91 horas, quase 4 dias. Não paramos em lugar nenhum, viemos direto, morrendo de vontade de chegar logo. Lógico que as últimas horas foram mais longas que todo o resto da viagem, né, uma coisa! A ansiedade de chegar logo, rever as pessoas queridas, isso parecia próximo de acontecer mas ao mesmo tempo parecia que iria demorar uma eternidade. Mas enfim, chegamos!!!!
No geral a viagem foi bem tranquila e agradável. No total das 91 horas, motoramos no máximo umas 20 horas, foi muito bom. É que as vezes o vento dava uma merrecada legal e queríamos manter pelo menos uma média de 5,5 nós pra chegar no Rio no dia 24 o mais cedo possível. Disse pra vocês que pararíamos em Abrolhos e Búzios pois queríamos fazer surpresa chegando antes do que realmente vocês imaginassem (principamente minha mãe) mas a idéia era de chegar logo aqui.
Durante a travessia comemoramos 10 anos de namoro, mó tempão, né?? Fora o momento festivo nos ocupávamos com arrumações, limpeza, música, refeições e é claro muita contemplação. Vimos uma baleia com a cabeça pra fora d'água acompanhada de seu filhote, grupos grandes de golfinhos nadando perto de nós, "pores"do sol maravilhosos, noites mega estreladas, aliás demos muita sorte com o tempo. Só choveu num dia de manhã uma chuvinha que durou uma hora e só! Bom, né, achei que seria bem pior, afinal as condições de tempo que vínhamos vendo pela internet não eram nada animadoras. Pedi pra Marcia, irmã do Lu, torcer pra não chover e ela deve ter se dedicado mesmo pois deu super certo, valeu cunhada!!
Os dois únicou momentos da viagem meio desagradáveis referentes ao tempo (a chuvinha não foi nada) rolaram no último dia. Primeiro foi a subida do mar depois de passarmos por Macaé. O vento deu uma aumentada considerável e o mar cresceu junto. Na verdade nem estava tão grande mas durou algumas horas e estava bem mexido e desconfortável. No começo a gente até gostou pois chegávamos a uns 9 nós quando a onda nos zunia mas depois começou a perder a graça... nossa esperança era melhorar depois de passar Arraial do Cabo pois como as ondas eram de nordeste a partir desse trecho estaria mais abrigado delas. E realmente ali o mar acalmou... só não contávamos com uma pequena surpresinha, o segundo momento ruim: o vento aloprou e sem brincadeira chegou a uns 30 nós com rajadas de uns 40. Sério gente não é papo não, nunca havíamos passado por algo assim, deu pra assustar. Enrolamos imediatamente a genoa e numa manobra de tremer as pernas rizamos a grande no segundo rizo. Não foi fácil colocar o barco no contravento vendo o Lu lá na frente (de cinto, é claro!) com aquela ventaca. Mas no fim deu tudo certo, ufa!!! Pra vocês terem idéia, só com a vela grande e rizada fazíamos uma média de 9 nós. Brincadeira, né? Acho que o Gandaia queria chegar logo tanto quanto nós. Foi bom pra acelerar nossa chegada mas não precisava de tanto. Depois de algumas horas assim nem preciso dizer que o vento morreu, né? E aí, é claro, motoramos pra acelerar.
Fora isso o mar estava bem calmo, ondas empurrando, vento empurrando, show de bola! E o motor??? Maravilhoso, redondinho!! Valeu muuuuito Xogum!!! Rolou um episódio com o piloto automático que deu uma desanimada, imaginem ficar no leme 90 horas... mas felizmente o Lu conseguiu resolver. Ele estava fazendo um barulho horrível e constante. Cada vez que vinha um "creck" era um frio na barriga, muito ruim. Foi quando o Lu resolveu encarar e ver se conseguia ver o que estava rolando. Demos sorte pois era uma coisa simples de resolver. Os parafusos da base do pino do quadrante que é ligado ao braço do piloto estavam soltos prontos para cair e o Lu conseguiu apertá-los. O local tinha um acesso meio ruizinho principalmente com o balanço do barco mas ele se contorceu todo e conseguiu, um alívio!! E foi assim gente, nossa travessia recorde (até agora, claro) foi super agradável e com uma sensação de dever cumprido bem gostosa.
Depois de atracados, paramos por um segundo no píer e caiu a ficha. Nos abraçamos e comemoramos. Estávamos ali novamente, Marina da Glória, mesma vaguinha, o Gandaia quietinho e feliz e tudo no seu devido lugar mas algo estava diferente... foram exatamente 5 meses e 5 dias de uma viagem e tanto. Houve momentos de apreensão, medo, saudade, insegurança mas sem dúvida nenhuma o que prevalece nisso tudo é a sensação de sucesso, aprendizado, alegrias, amizades e o mais interessante, as distâncias diminuíram bastante pra nós. A Ilha Grande por exemplo que achávamos uma super viagem ficou ali na esquina. Já estamos até pensando em ano que vem dar um pulinho em Abrolhos e Santo André. Tudo ficou muito perto e esse sentimento é muito feliz além de nos ajudar a não nos sentirmos tão saudosos das pessoas e dos lugares que conhecemos.
É isso gente, chega ao fim nossa primeira grande viagem. Continuarei com o blog e sempre que tivermos novidades estarei aqui para dividi-las com vocês. Muito obrigada a todos os visíveis e invisíveis que nos acompanharam, um grande beijo e até a próxima!!! Valeria e Luiz
video

video
video

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Arraial D'ajuda e voltando...





































Oi gente!!! Quarta feira fomos conhecer Arraial D'ajuda e simplesmente ADORAMOS! Chegamos lá por volta de 10h e fizemos uma caminhada deliciosa pela praia até chegar a praia de Mucugê. Sentamos para tomar coco e coca num restaurante e antes que pedíssemos algo para comer, decidimos ir em busca de outro lugar menos turístico e menos movimentado mas de frente para a praia pois naquela hora os restaurantes no centro estariam fechados, eles só funcionam depois do fim da tarde, hora de mais movimento. Saímos de lá, andamos um pouco mais e acabamos parando no Rio beach bar, um restaurante lindinho e bem diferente dos demais que nos chamou a atenção pela decoração meio mediterrânea . Olhamos o cardápio e resolvemos ficar. Fizemos o pedido, fomos dar um mergulho e enquanto esperávamos o almoço deitamos relaxados em espreguiçadeiras de baixo de uma sombrinha super charmosa. Comemos e começamos a conversar com o casal, Alexandra e Davide, donos do bar, uns fofos!!! Ele é italiano e ela é portuguesa, imaginem vocês que o sonho da Alexandra é justamente morar num veleiro, que coisa não?? Ela adorou nossa história e parece que ficou bastante incentivada a realizá-lo. Tomara!!! Convidamos os dois a nos visitar no Rio quando eles estiverem de férias, eles já passaram um tempo em Copacabana e adoram a cidade maravilhosa, espero que apareçam! O papo foi realmente ótimo e rendeu até umas 16h quando resolvemos andar até o centro. Passeamos, tiramos fotos, compramos camisetas e um pouco mais tarde começamos a baldeação pra voltar para Santo André. Saímos apaixonados e prontos para voltar em breve de Gandaia para ficar na cidade por mais tempo. Quando estávamos indo embora, já na balsa, tivemos a grata surpresa de ver que o Mony, veleiro dos nossos amigos Vail e Helena do Cruzeiro Costa Leste estava atracado num pier ao lado do porto. Depois vamos tentar saber detalhes de como ficar ali e quem sabe no ano que vem voltamos... a vontade já é grande!!
No mais estes dias curtimos muito Santo André e sua tranquilidade. Fomos a praia, passeamos muito aqui pelas redondezas, fizemos amigos e aproveitamos cada minutinho pois lugares assim são com certeza os de que mais sentiremos saudades. E é por estas e por outras que íamos embora quinta de manhã e resolvemos adiar nossa partida para sábado, ou seja, amanhã pela manhã.
Galera, este provavelmente é meu último post antes de chegarmos no Rio. Zarparemos amanhã e devemos parar em Abrolhos, onde não há acesso a internet e talvez em Búzios mas ainda não temos certeza. Não sabemos ainda quantos dias ficaremos nestes lugares portanto não temos data certa para chegar, provavelmente será entre dia 26 e 28 de dezembro.

Para fianlizar, gostaria de desejar a vocês FELIZ NATAL E UM ANO NOVO MARAVILHOSO!!!! Bem, pra gente vocês já sabem: ÓÓÓtima viagem, bons ventos, bom mar, bom motor, boas velas, bom tempo, bom natal, bom 2009, bom tuuuudo!!! Esta será nossa maior travessia mas em breve estaremos com vocês. Muuuuuuuuitos beijos e até a volta!!!!!
Valeria e Luiz

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

Até que enfim Santo André!!!







Oiê!!!!! Gente, a viagem foi maravilhosa!!! Infelizmente motoramos na segunda metade da travessia pois o vento era quase nenhum mas o bom disso é que motor foi PERFEITO!!!!!!!! Começamos com o sol se pondo dando início a uma noite mega tranquila. Uma lua espetacular, o mar super tranquilo e o ventinho (na primeira metade) na medida certa . O vento era ENE (Leste/Nordeste) e nossa velocidade ficou numa média de 5 nós com o barco quase nada adernado, delicioso. Pela primeira vez fiz um turno de quase 4 horas durante a noite de tão gostoso que estava. O Lu tirou uma soneca merecida que por uma pequena falta de sorte foi interrompida por uma inesperada chamada pelo VHF de um pesqueiro que estava no meio do nosso caminho. Ele falou que estava com um material na água muito extenso e nos pediu a gentileza de desviar do nosso rumo para não passar por cima. E desviamos... deu um certo trabalho pois tivemos que enrolar a genoa e ligar o motor. Depois tivemos que dar uma voltinha de aproximadamente umas três milhas gastando uns 30, 40 minutos... e isso tudo interrompeu o sono do Lu que 5 minutos depois já estava dormindo de novo. Chegamos em Santo André na segunda meio dia. Jogamos ferro fora do rio para esperar a hora da maré cheia, almoçamos, descansamos e 16h o Carlindo, prático que combinamos de nos guiar, chegou. Entramos, jogamos ferro em frente ao Gaivota, restaurante da Ana, uma querida que sempre está pronta a nos ajudar, até frutinhas comprou pra gente, uma fofa! Descemos em terra, ficamos batendo um papinho com ela e seu marido e voltamos para o barco para dormir cedo pois estávamos exaustos. A noite estava linda e estrelada e a lua parecendo pintura de quadro, uma coisa! Ficamos deitados no cockpit só curtindo o silêncio e a paz do lugar. Santo André é o máximo!!!
Hoje passamos o dia aqui pelas redondezas. Almoçamos no Gaivota, fomos a praia, passeamos na cidade e tiramos fotos. Eles estão fazendo o encanamento de água na cidade e a rua principal está um pouco tumultuada mas mesmo com esse visual meio, digamos assim bagunçado, aqui é delicioso!! Amanhã vamos para Arraial D'ajuda, depois conto pra vocês! Até depois!! Beijos

domingo, 14 de dezembro de 2008

Pit stop inesperado - Ilhéus

Olá!!! Ainda não estamos em Santo André... Tudo por causa de um pit stop obrigatório em Ilheus, hoje, domingo. Vou contar o que aconteceu: Ontem as 5h da manhã zarpamos de Salvador motorando pois o ventinho estava bem fraco, conforme a previsão. Chegamos a andar bem umas 6 horas mas com o motor de vez em quando diminuindo a rotação, coisa que aconteceu uma vez na Ilha Grande por entrada de ar na mangueira de diesel. Mesmo meio cabreiros continuamos a motorar pois o vento era quase nenhum. De repente o motor morreu... insistimos e um tempo depois morreu de novo. O Lu verificou a mangueira que leva o diesel do tanque para o motor (a mesma que tinha ar da outra vez) e confirmou que realmente tinham umas bolhas de ar. Tentou mexer daqui e dali mas não adiantou até que teve uma hora que ele não ligou mais... nossa, que sensação horrível!! Estávamos a umas 20 milhas da costa, faltando mais de dois terços da viagem, sem vento e o barco sem motor...chegou a dar um frio na barriga de pensar quantas horas demoraríamos pra chegar em terra. A primeira decisão que tomamos foi de mudar o rumo para Ilhéus, afinal se tratava de quase 100 milhas a menos. Em Ilhéus também seria mais fácil arranjar ajuda com o motor e além disso a entrada no porto é bem mais simples do que em Santo André que necessariamente precisa de motor por se tratar de um rio estreito cheio de bancos de areia, não é a toa que contratamos um prático para nos ajudar a entrar.
E começou nossa saga... primeiro ficamos murrinhando nuns 2, 3 nós de velocidade. De repente o ventinho começou a soprar e quando vimos estávamos “voando” chegando a atingir até uns 7 nós, maravilha, né? Pois é, quando faltavam umas 15 milhas para chegarmos percebemos que com aquele ritmo chegaríamos de madrugada no porto e jogar ferro sem motor e sem ver direito quem ou o que estava por perto não seria uma boa idéia. Resolvemos então “freiar” o barco fechando a genoa e rizando a vela grande. Voltamos a andar a uns 3 nós de média que nos faria chegar umas 4 da manhã já clareando, perfeito, né? Então, fomos nesse ritmo umas 2, 3 horas e o que não podia acontecer aconteceu, acabou o vento. Faltando umas 10 milhas para chegar começamos a boiar fazendo uma média de 1,5 nós. Até aí tudo bem, só iríamos chegar mais tarde do que pretendíamos, a questão era: como entrar no porto boiando? A gente precisava de um mínimo de segmento pra chegar direitinho no lugar de ancoragem sem o risco de ser arrastado pra algum lugar indesejado, né? Isso era umas 2h da manhã e resolvemos chamar pelo VHF o Iate Clube de Ilhéus sem a mínima esperança de sermos respondidos. Qual não foi nossa surpresa quando Reinaldo nos atendeu. Explicamos nossa situação e solicitamos ajuda na ancoragem e um reboque se fosse possível. Ele, muito simpático nos explicou que o bote de apoio estava quebrado etc etc. Desanimamos... daqui a pouco Reinaldo nos chamou e disse que um colega dele iria nos ajudar. Disse que ele estava vindo de casa e que “daqui a pouquinho estará aí para rebocar vocês e ajudar a entrar no porto, podem esperar!!”. Nossa, que alívio, que alegria!!! Só não foi mais alegre pois essa ajudinha rapidinha demorou um pouco mais de 4 horas... pois é, demorou mas chegou. É claro (e isso quem veleja já poderia esperar) que 20 minutos, 20 não 15 minutos antes de chegar a tal lancha começou a ventar... e muito!!! Inacreditável, né? Mas eu sei que vocês sabem que é mais ou menos assim que “funciona”... pra encurtar a já longa história, ao abaixar a vela grande com aquele vendaval e o mar, é claro, bem mais mexido, O Lu dá uma apoiada sem muito jeito na vela e uma das talas quebra fazendo um rasgo na bolsa da tala. Na hora achamos que tinha rasgado um pedaço da vela mas depois com calma vimos que havia sido só na bolsa mesmo, menos mal... bem, jogamos o cabo pro cara e ele nos rebocou até o porto. Jogamos ferro, nos despedimos dele e finalmente relaxamos. Depois de um bom banho e de umas horinhas de sono, começamos a nos mexer para buscar um mecânico no domingo na Bahia, imaginem o otimismo... Quando estávamos preparando o bote para o colocarmos na água o Lu viu golfinhos pulando perto do barco, que lindo! Só podia ser um bom sinal, e era!! O Migrante, veleiro do nosso querido amigo Altenir, entrou em seguida no porto e alegremente o Xogum (acho que é com X, não tenho certeza) do leme nos acena. Ali já sabíamos que ele nos “salvaria”e foi exatamente o que aconteceu. Xogum veio dar uma olhada no motor e depois de uma hora e pouco tudo estava resolvido e funcionando perfeitamente. Ele abriu aqui, abriu ali, tomou uns golinhos de óleo sugando a mangueira (eca!) e depois de resolver trocar o filtro raccor percebeu que o problema mesmo era entupimento na base dele pois ali tinha muita sujeira fazendo com que ficasse impedida a passagem do óleo diesel do tanque para o motor. Parece simples, né? E é mas uma bobagem faz parar todo o sistema... bem, o que importa é que funcionou e depois de arrumar o barco e limpar (tivemos que esvaziar parte do paiol, tarefa braba!!!) almoçamos os três alegremente no cockpit.
Ah! Um detalhe chato, aliás beeeeeem chato, é que ainda temos vazamento de diesel no barco. Desde que lacramos a tampa de inspeção tudo estava lindo, maravilhoso e o principal, seco! O lance é que até então não havíamos abastecido mais o Gandaia pois no Nordeste pouco precisamos do motor mas antes de sairmos de Salvador demos uma abastecida e a partir daí a tormenta do cheiro insuportável voltou... que pena!!! Agora minha gente, só no Rio, sinto muito!! Teremos que descobrir onde vaza, resolver e depois tirar mais uma vez tooooodos os paineiros do barco para uma mega lavada... ai que trabalho!!! Mas não temos como escapar, quem quiser ajudar, estamos aí, viram vizinhos da Marina??? Brincadeirinha gente...
Bem, depois que o Xogum foi embora demos mais uma descansada e daqui a pouco zarparemos finalmente para Santo André. ÓÓÓtima viagem pra gente!!!!!!!!! Pleeeeaseee!!! Beijos e até lá!

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Pequena mudança

Oi gente! Passei aqui só pra compartilhar com vocês uma pequena mudança nos nossos planos. Pois é, ontem a noite já deitados me toquei que a gente sairia para Santo André hoje, sexta feira... bem, pode parecer ridículo para alguns mas o fato é que dizem por aí que não se deve sair para uma grande viagem de barco neste dia da semana ... Nem é uma grande viagem mas.... just in case.... sairemos amanhã bem cedinho e calculamos chegar em Santo André no domingo tipo final da tarde. No mais a gente não tem compromisso nenhum então por que não evitar, não é mesmo? E hoje vamos aproveitar mais um pouquinho de Salvador, nada mal, né? É isso aó galera, até lá!!! Beijos

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

De volta em Salvador...















































































Olá!!! Pois é, com certa tristeza e já com saudades estamos de volta em Salvador... ai, Morro de São Paulo é muito gostoso, adoramos! E olha que choveu a beça por lá... aliás aqui em Salvador também tá chovendo DI RE TO!!! Bem, mesmo com o tempo super incerto a gente passeou bastante, comeu bem, curtiu a chuvinha aconchegantes na pousada (simples mas bem boazinha) e até foi a praia. Até mergulho rolou mas com água já mais geladinha... é bom pra ir acostumando com a nossa realidade carioca, água frrrria!!!
Então, Morro é diferente de tudo que a gente tinha visto até agora. Sei lá, o fato de ser toda de areia, de ter subidas e descidas por toda a parte dá um ar particular a ilha. Infelizmente não deu tempo de conhecermos Gamboa que dizem que é lindo e menos turístico... vai ficar pra próxima vez...
O dia de aniversário do Lu foi bem gostoso e começou na meia noite do dia 9. Eu comprei um bolinho escondida dele e meia noite em ponto apareci com ele cantando "parabéns pra você" de surpresa. Durante o dia passeamos, almoçamos num restaurante lindo com decoração indiana, fomos a praia no final da tarde e ele recebeu telefonemas e emails da família e dos amigos, foi bem legal!!
Já de volta, só trabalho... fizemos compras, buscamos a roupa na lavanderia, cozinhei pra viagem, fizemos uma faxina, abastecemos o barco com água etc etc
Amanhã zarparemos para Santo André e imaginamos chegar lá sábado de noitinha. Será uma parada para descanso e é claro para aproveitarmos mais um pouco a Bahia e seus encantos. Bem, tentarei falar com vocês de lá apesar de já saber que o acesso a internet é meio difícil. Mesmo assim arranjarei um jeito de vir dar um alô. Até lá galera!!! Boa viagem pra gente e bom fim de semana pra vocês!! Beijos!!

domingo, 7 de dezembro de 2008

Salvador rumo a Morro de São Paulo










Olá galera!! Amanhã cedo iremos para Morro de São Paulo, delícia, né? Vamos deixar o Gandaia aqui no Terminal Náutico e ficaremos numa pousadinha que descolamos pela internet. E lá comemoraremos o aniversário do Lu que será na terça feira, 9 de dezembro, não esqueçam!
Nestes dias aqui em Salvador temos passeado aqui por perto mesmo tipo Pelourinho e redondezas e hoje fomos conhecer o Forte São Marcelo, muito legal!! O Forte foi restaurado, está muito bem cuidado e o passeio foi bem interessante, gostamos muito.

- Momento curiosidade: Essa forma tipo montanha da foto era o lugar onde se colocava o melaço da cana para a produção de açucar. E nosso querido Pão de Açucar tem este nome devido a esta forma. Legal, né???

Bem, as novidades de Morro (e fotos, é claro) enviarei na nossa volta, ok? Beijos e até lá!

sábado, 6 de dezembro de 2008

Fotos Suape e travessia para Salvador
























































1-Colocação Radar
2- Mergulho no banco de areia em Suape
3- Gandaia em frente ao hotel
4- Lu protegendo o machucado
5- Ilha de Tatuoca
6- Ilha de Tatuoca
7- Botinho na Ilha de Tatuoca
8- Asa de pombo a caminho de Salvador
9- Nós na travessia Recife-Salvador

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Salvador e diário da última semana

Oi genteeeee!! Estamos em Salvador novamente... e batemos nosso record de tempo de travessia, 64 horas e meia, quase três dias, uau!!! Saímos de Suape na terça às 10h da manhà e chegamos aqui 2:30h da madrugada de ontem. A viagem foi muito boa, viemos com vento de popa quase que o tempo todo, abrimos asa de pombo com o pau de spinaker (não sei se se escreve assim e o Lu dorme)e tudo, muito legal. Tudo nos ajudou, o vento, a corrente e a direção das ondas que apesar de meio bagunçadas eram pequenas e nos empurravam o tempo todo. No primeiro dia fizemos uma média de 7,5 nós de velocidade e chegamos a achar que estaríamos aqui em dois dias, o que seria muito bom. Mas o vento não foi constante e diminuiu bem ao longo do caminho. As vezes chegava quase a parar totalmente mas depois voltava a soprar, ora mais forte, ora mais fraco e aí andávamos bem lentinho mesmo, uns 4 nós só. Ligamos o motor só para carregar as baterias e nestas horas dávamos um gás na velocidade mas não quisemos fazer muito isso para poupar o motor já que ainda não solucionamos aqueles barulhos. Foram dias lindos de sol e noites estreladas com o mar de um azul inacreditável, maravilhoso! Navegamos bem longe da costa e só tivemos que nos preocupar com os navios que com a ajuda do radar (que está 100%) sabíamos direitinho a direção e velocidade, muito prático. Com isso podíamos relaxar mais nos momentos de turno pois se tivesse algo perto o alarme avisava. Fiz turnos de duas e uma hora durante a noite e de dia ficava direto pro Lu descansar. Só no segundo dia que tirei um cochilo bom depois do almoço. Nossos banhos eram por volta de meio dia pois o sol estava mais quente e davam uma revigorada e tanto, super gostoso!! Quase na nossa chegada, tipo ontem a tarde um cardume enorme de golfinhos nos acompanhou, foi lindo demais, eles são o máximo!! Tinha um filhote que ficava pulando, coisa mais linda!!! Só teve uma coisinha meio desagradável durante todas estas horas e foi bem no final da viagem, ou seja, ontem no início da noite. Começamos a ver relâmpagos bem na nossa proa, mais ou menos na direção que precisávamos ir. Parecia que estavam a léguas e acho que estavam mesmo mas fiquei desesperada de medo, acho que foi a vez que senti mais medo até agora... nem se compara com o medo da travessia Búzios/Vitória que tinha sido o momento mais drástico... Mudamos o nosso caminho pra deixar essa coisa longe de nós mas como depois de um tempo eles pararam nós voltamos para o rumo. No dia anterior também tínhamos visto mas estavam mais longe da nossa rota. Deu medo também mas nem tanto pois estavam fora do nosso caminho, diferente desta vez. Mas tudo correu bem, não passamos nem perto deles!!
Chegamos de madrugada no Terminal Náutico e como achamos que não teríamos apoio por causa da hora resolvemos jogar ferro perto do Forte São Marcelo para hoje com ajuda do pessoal da marina atracar no cais. Acontece que jogamos num local meio ruim o que nos fez suspendê-lo e dar uma olhada na marina para ver se conseguíamos algo. Ao chegarmos tinha um funcionário que nos ajudou a atracar no cais, que sorte!!! Já instalados e ligados na energia, limpamos e arrumamos o barco, colocamos um lençol limpinho e cheirosinho, tomamos um bom banho, comemos e adivinhem.... desmaiamos quase 5h da manhà num sono delicioso e perfeito. Agora são 11:15h, o Lu ainda dorme e aproveitei pra enviar esse mega relatório pra vocês. É isso gente, a partir de agora o diário (que foi escrito on line) destes últimos dias desde a saída de Recife. Enviarei as fotos mais tarde, ok? Beijos e até!!


Quinta, 27/11 – A noite o Lu foi na reunião da regata de Suape que sai amanhã, super concorrida. Faltou vaga pra galera interessada mas conseguimos chegar a tempo e amanhã zarparemos para lá.
Sexta, 28/11 - Hoje de manhã saímos juntos, o Lu foi comprar gasolina e eu fui dar uma andada. Depois busquei a roupa na lavanderia e fiz compras na drogaria e no mercado. Quando cheguei o Lu estava trazendo um rapaz aqui no barco para ajudá-lo com o vaso sanitário que estava meio travado. Depois de tudo direitinho, almoçamos e começamos a arrumar o barco para a viagem. Guardamos tudo dentro e fora do barco, Lu subiu o bote, tratou de desenferrujar a nossa foice (para possíveis problemas com redes de pesca) e mais tarde nos mudamos para o cais principal com a ajuda do Marcílio e Marcelo daqui do clube. Depois de amarrarmos o barco no cais, o principal: colocamos o radar de volta!!! Foi meio tenso pois tivemos que ajudar a segurar a escada para o Marcílio prender o radar e de vez em quando ela dava umas escorregadinhas sinistras. Teve uma hora que eu achei que ía Marcílio, radar, escada, tudo pra dentro dágua, mas tudo deu mais que certo e estamos com o radar funcionando de volta, êba, valeu meninos!!!!! Abastecemos o barco com água e o ligamos na energia, afinal precisamos de ventilador!!! Faz um calor danado por aqui!! E então demos uma relaxada...
A noite o Guga chegou no Cabanga com o Ave Rara e nos visitou junto com o Pedro e a Janaína, amigos dele que vieram junto no barco lá de Olinda. É que o Lu havia pedido a ajuda dele para dar uma apertada nos estais pois o de boreste estava meio bambo e ele foi lá. Depois de apertados os estais ficamos de papo no cockpit até tarde, rimos muito pra variar... agora vamos dormir. Amanhã, tipo 6h da manhã zarparemos para o PIC com a maré cheia e lá esperaremos nossa largada que será por volta das 9:30h. Iremos para a famosa Suape e esperamos curtir muito já que falam maravilhas do lugar.
E mais uma vez nos despedimos... desta vez de Recife... foi muito bom passar estes dias aqui tanto na primeira temporada quanto nessa de agora... Gostaríamos de deixar nosso agradecimento pra galera daqui do Cabanga que foi nota 10 conosco especialmente pro Marcelo que gentilmente nos emprestou sua vaga e pro Torpedinho que nos acolheu no clube como especiais convidados. Tivemos muito conforto por aqui... infelizmente não foi possível subir o barco como havíamos programado mas não foi por falta de tentativa nem muito menos de boa vontade do pessoal local. A manobra só não aconteceu por não nos sentirmos seguros para realizá-la... em contrapartida o episódio do radar foi sensacional e olha que era uma pedrinha no sapato pois a retirada dele lá em Natal foi meio complicada. Enfim, muuuuuito obrigado Cabanga!!
Sábado, 29/11 – Acordamos 5h, arrumamos o barco e com uma certa dificuldade soltamos os cabos do píer e fomos nós para o PIC. Chegamos, jogamos ferro, dormimos um pouco e umas 9h suspendemos a âncora e começamos a nos preparar para a largada. Foi quando de repente o Lu ao correr lá pra frente para pegar a manicaca que havia ficado na catraca do mastro raspa o pé na foice, a tal que ele desenferrujou anteontem... nossa, que susto!! Ele dá um grito e volta com o pé sangrando muito, fiquei apavorada! Depois de estancar o sangue vimos que o corte não era muito grande mas um pouco fundo mas mesmo assim o Lu decidiu largar com o pessoal. Na hora que vimos o sangue imediatamente pensamos em desistir e ficar por ali para tratar do corte mas depois ele viu que dava para seguir. Limpamos o local do ferimento e amarramos com uma gaze para estancar o sangue e fomos embora. Primeira lição do dia: MUUUITA atenção com objetos perigosos a bordo. Faltou um pano em volta da foice, que perigo aquilo ali exposto só com um saquinho “protegendo”. Podia ter sido muito pior se alguém passasse ali chutando com força, imaginem que tragédia...
E lá fomos nós... antes mesmo de sairmos do canal ligamos o motor pois como era meio contravento iríamos precisar ficar cambando e não estávamos muito dispostos devido a condição do Lu. Ali mesmo já estávamos fora da regata mas tudo bem, queríamos mesmo era chegar bem em Suape. O vento estava fraco e o mar tranquilo, viemos bem mas lentos. Umas 14:40h entramos em direção ao porto de Suape para encontrar o veleiro que o Lu tinha mais ou menos combinado de entrar junto no canal que leva ao hotel, onde seria a festa. Ele chamou o veleiro pelo rádio e não teve resposta e então resolvemos ir sozinhos. O fato de alguns barcos estarem entrando no canal neste mesmo momento também nos fez tomar esta decisão pois achamos que daria tempo de alcançá-los e segui-los. E aí tivemos nossa segunda lição do dia: NUNCA dependermos de outro barco para entrar nos lugares, principalmente lugares com obstáculos e desconhecidos. Deixamos de passar os way-points para o GPS por estarmos contando com o auxílio de outro veleiro e resumo: o veleiro teve problemas na largada e não veio (soubemos disso na festa) e quando resolvemos parar no meio do canal pra jogar ferro e aí sim passar os way points para o GPS, pufff, encalhamos num banco de areia!!! Outro susto!! Nossa primeira encalhada da vida... pedimos ajuda pelo rádio e prontamente o Emílio do Jangadeiro nos respondeu. Ele que já estava atracadinho curtindo o sábado tranquilamente levantou seu ferro e foi lá nos ajudar a entrar. Que mico!! Enquanto isso conseguimos desencalhar e ficamos dando voltinhas num lugar mais fundo até ele chegar... depois disso só alegria, entramos coladinhos no Jangadeiro e chegamos seguríssimos na praia do hotel, um lugar delicioso.
Jogamos ferro, comemos alguma coisa e demos um pulo no hotel, bem legal! Voltamos para tomar banho e nos arrumar e tivemos nosso terceiro e último susto do dia mas desta vez sem lição: quando fomos pegar nosso bote para irmos para o barco, cadê??? Perguntamos a todos que estavam ali e ninguém sabia de nada concreto. Alguém disse que viu dois caras saindo remando num botinho. Pensamos no pior... com a ajuda de um marinheiro que estava no píer na hora, o Fiu, saímos atrás dos veleiros o procurando. De repente avistamos um parecido com o nosso e fomos lá... era ele, que alívio!! O pessoal o pegou emprestado achando que era de um conhecido deles e além de tudo pediram para avisar caso o dono aparecesse, o que não aconteceu. Ufa, foi só o susto mesmo, nada de mal tinha acontecido.
A noite fomos para a festa que foi um jantar bem legal com entrega dos troféus. Até a gente ganhou um, de participação... O Lu mostrou o machucado para o Marcelo, que é médico, e ele descartou a necessidade de levar ponto pois não foi tão fundo quanto imaginávamos. Menos mal, né? Sentamos na mesa do pessoal do Ave Rara e tivemos diversão garantida. Foi uma noite bem agradável e tranquila depois deste dia de emoções. Chegamos mais de 11 da noite e desmaiamos.
Domingo, 30/11 – Acordamos e ficamos preguiçosos no barco até a hora do almoço quando resolvemos nos mexer pra fazer algo, comer e sair. Demos um pulo no pier do hotel, nos despedimos do Guga e a galera do Ave Rara que zarpou de volta pra Recife e lá fomos nós fazer um bote-tour pelas redondezas. O lugar realmente é lindíssimo, um paraíso! Demos uma parada no bar do Eloi só pra conhecer e dar um alô no Torpedinho que estava lá com a família e depois seguimos o nosso passeio pelo rio. Delicioso!!! A gente desligou o motor do bote e ficou só flutuando deixando a correnteza nos levar, que paraíso! Teve uma hora que passamos em cima de um banco de areia bem rasinho e resolvi saltar para dar um mergulho. A água estava quentinha, maravilhosa!! Pena que o Lu não foi também por causa do machucado no pé... tadinho... mas já tá ficando melhor, ainda bem!!! Passeamos mais um pouco e começamos a voltar. A idéia era ir para o outro lado onde fica o bar do Bil mais ali o mar/rio estava batendo um pouco não nos deixando muito confortáveis e resolvemos mudar de planos. Demos uma passadinha no barco só pra beber algo, fomos de bote até o cais do hotel, o deixamos lá e fomos para a praia. Depois resolvemos passear pelo hotel que é gigante e por fim paramos na piscina para fazer um lanche e dar um mergulho. Já era quase noite e depois disso voltamos para o barco e ficamos jogando buraco até dar sono. Ganhei por 10 pontos - hehehe. Hoje foi um dia relaxante e merecido depois de tantas surpresas de ontem. Valeu!!!
Segunda, 01/11 – Depois do café da manhã e do curativo no machucado do Lu fomos passear de botinho. Desta vez fomos para o outro lado e paramos o bote na ilha de Tatuoca, nossa, que paz!! Demos um tempo por lá só curtindo o visual e relaxando, muito aprazível... ligamos para um prático local e combinamos que ele passaria no barco umas 16h, quase na maré cheia, para nos levar até o porto. Voltamos para o barco, almoçamos, cozinhei para viagem e na hora marcada chegou o Márcio que nos levou ao porto. Ele veio no Gandaia com a gente e rebocamos sua canoa. Fomos bem devagarzinho pra não termos problemas e passamos bem por quaaaase todos os bancos de areia. Infelizmente teve um que nos pegou de surpresa e puff, encalhamos de novo... desta vez demorou bem mais para sairmos. O Marcio mergulhou de máscara para ver pra onde deveríamos sair e empurrou nossa quilha pra fora do banco. Foram algumas tentativas mas de repente o Gandaia flutuou, ufa!! O Marcio correu, ou melhor, nadou correndo pro barco e saímos tensíssimos dali. Segundo ele, este seria o último banco de areia do caminho e realmente depois disso passamos bem por todo o trajeto. Chegamos no lugar de ancoragem em frente ao porto, Marcio foi embora remando sua canoa e tratamos de arrumar tudo para a viagem de amanhã. Tomamos banho, lanchamos e jogamos mais uma partidinha de buraco só que desta vez eu perdi de lavada - rsrsrs
Dormiremos cedo para amanhà estarmos descansados para a travessia até Salvador. Até lá, galera!!